Garanta o sucesso do seu negócio com o Lean Startup

novembro 10, 2016 2:18 pm

startup

 

Quando se deseja abrir um negócio é natural ser instruído a fazer um plano de negócios: um texto extenso que descreva a oportunidade, o problema que a empresa vai resolver e a solução proposta pela companhia que será aberta. Além disso, o plano também deve ter projeções de receita, lucro e fluxo de caixa para os cinco anos seguintes. Finalizado o plano de negócios, o empreendedor leva sua ideia a investidores, a fim de captar recursos, monta sua equipe e, posteriormente, parte para a produção e lançamento. O problema é que, comumente, uma das etapas do processo não é ultrapassada e muito esforço e dinheiro são desperdiçados no fim das contas. O movimento Lean startup veio para questionar todo esse processo e colocá-lo em xeque.

O movimento Lean Startup

O nome Startup Enxuta veio da produção enxuta, a revolução que Taiichi Ohno e Shigeo Shingo promoveram na Toyota©. Ele consiste em transformar uma metodologia pensada originalmente para startups de tecnologia em um método mais coeso e aplicável a qualquer empreendimento nascente. Na definição de Eric Ries,

“Uma startup é uma instituição humana projetada para criar novos produtos e serviços sob condições de extrema incerteza.”

De forma complementar, a startup enxuta é um conjunto de práticas elaboradas para ajudar os empreendedores a aumentar suas chances de desenvolver uma startup de sucesso.

A metodologia traz alguns conceitos e ideias, como: o Ciclo Construir, Medir, Aprender; o conceito de Produto Mínimo Viável (MVP) e métodos mais ágeis de interação com o cliente.

Ciclo Construir, Medir, Aprender

A atividade essencial de uma startup é transformar ideias em produtos. Isso implica em mensurar como os clientes reagem, e, a partir disso, aprender se é o caso de pivotar (mudar o plano de negócios depois de ter testado uma estratégia e não ter obtido os resultados esperados) ou perseverar. Todos os processos de startup bem-sucedidos devem ser pautados nesse ciclo de feedback e voltados a acelerá-lo o máximo possível.

Produto Mínimo Viável (PMV)

A interação com o cliente é de suma importância, por isso é interessante que se crie uma versão de teste do seu produto, desenvolvida de forma rápida e econômica para ser apresentada ao seu público-alvo e, a partir daí, receber feedbacks para evoluir o produto constantemente até o momento de seu lançamento. Para se ter um produto mínimo viável ele precisa de uma proposição de valor importante e suficiente para que seu principal cliente adote-o.  As suas funcionalidades devem ser encaixadas em uma entrega que se assemelhe a um produto coeso e útil além de ter o menor tamanho possível, para que possa ser entregue no menor tempo possível. O desenvolvimento de um PMV é uma excelente ferramenta para obter informações sobre o seu mercado e validar premissas.

Para fazer o seu MVP é necessário ter em mente alguns passos:

  1. Formular hipóteses para validar: antes de definir sobre como será o MVP é importante pensar sobre o que você quer aprender com ele e formular hipóteses claras. Se um empreendedor ainda não é capaz de formular hipóteses sobre seu público consumidor e sua proposta de valor, significa que ainda não é o momento exato para se fazer um MVP.
  2. Entender o mercado: ter um perfil de cliente ideal claramente definido, entender bem o contexto em que a sua empresa está inserida, saber quem são os seus possíveis concorrentes e quais as soluções ofertadas por eles. Quanto mais conhecimento você tiver sobre universo do qual seu produto e clientes fazem parte, melhor para o seu negócio.
  3. Definir formas de mensurar o sucesso: através de indicadores, métricas e feedbacks você deve conseguir avaliar o seu produto, cruzando dados coletados na pesquisa prévia aos dados coletados a partir da interação com o consumidor.

Não existe uma fórmula que garanta o sucesso, assim como com qualquer método de gestão. O Lean Startup é uma ferramenta que pode ser muito útil ao empreendedor que vai lançar um novo negócio ou produto, já que ajuda a ter agilidade para testar sua ideia com seu público alvo de uma forma mais rápida e econômica, porém deve ser usada em adição a várias outras práticas.

 

Escrito por: Arthur Machado – Consultor UCJ

Palavras-chave: , , ,

Categoria: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *